Meu primo e a minha primeira namorada

Quando tudo começou, eu era bem novo e a minha namorada, Luiza, também, e muito inexperiente, então normalmente os nossos amassos ficavam apenas nos beijos e nas mãos bobas por aqui e por ali.

A Lu (apelido que dou pra minha namorada) era bem magrinha, mas mesmo assim seu corpo era bem estruturado e equilibrado, sua bunda era redondinha, seus peitos cabiam exatamente na minha mão e eram muito lindos. A característica dela que mais me deixava louco era sua barriga chapada, como ela sabia disso, fazia questão de usar roupas que deixassem eu admirar seu belo corpo.

Por vários meses, nós tivemos um namoro saudável e uma relação de amizade bacana, a gente se dava bem. Um certo dia, Dante, meu primo, foi morar a poucos minutos da minha casa, e logo pude perceber os olhares que ele lançava para a Lu, nada novo sob o sol, a Lu sempre foi uma das garotas mais bonitas da cidade, em todo lugar que ia, chamava a atenção, e eu já tinha me acostumado com toda essa situação.

De acordo com o que eu me lembro, Dante tinha uns 20 anos, era bem mais alto e seu corpo era melhor desenvolvido que o meu, o que é óbvio já que a idade dele era bem superior a minha e da Luiza.

Em uma certa ocasião, num churrasco entre famílias que organizaram, meu primo acabou se aproximando bem mais do que o usual, na verdade estava sendo bem simpático comigo e especialmente com a Lu. Eu tinha certeza que ele tinha segundas intenções, mas não estava entendendo exatamente quais eram esses pensamentos.

Depois de um tempo o Dante chamou a gente pra beber em um outro lugar, no fim nós fomos ao quarto dele, conversamos sobre vários assuntos até chegarmos num assunto sobre putaria. Eu e Luiza não tínhamos idade pra isso, mas bebemos umas latas de cerveja e ficamos bem animados, então a Lu se soltou e começou a falar sobre nossas poucas e breves experiências sexuais.

Dante gargalhava e falava que o pessoal da minha cidade era bem fraquinho e que a gente não sabia como ter uma pegada boa. Luiza ficou curiosa para para saber como era uma boa pegada e o Dante disse que poderia demonstrar na prática.

Nesse exato momento eu recusei, a Lu riu e disse para eu parar com esse ciúmes. Já que eu tinha recusado, o Dante resolveu fazer uma aposta, eu escolhia qualquer jogo e, se ele ganhasse de mim, poderia ficar com a Luiza toda a noite. Eu continuei negando, mas ele ficou me chamando de covarde, eu não podia deixar a Lu achar que eu era um frangote, então acabei aceitando.

Nem pensei em escolher jogos de força porque eu com certeza iria perder, então optei pelo xadrez, sempre gostei de jogar e tinha certeza da vitória.

Eu estava enganado.

Dante levou a minha dama em só 4 lances, depois disso foi só ladeira abaixo pra mim.

Luiza ficou rindo durante todo o jogo, só no momento do xeque-mate que ela ficou séria, do nada. Eu não sei se era efeito da cerveja, tesão, ou uma combinação dos dois, mas seu corpo estava implorando por aquilo.

Eu fiquei sem reação, só observei quando ele então se levantou e pegou a Lu pelos braços. Dante era bem maior que ela, minha mulher parecia minúscula em pé logo ao lado dele.

Então ele a beijou. Os beijos se iniciaram lentamente, aos poucos a intensidade foi aumentando e as mãos do meu primo apertavam com vontade a raba da Lu. Ela estava sendo devorada e se entregava sem pensar duas vezes.

Pois é, ele tinha um pegada foda mesmo, fiquei com inveja.

Então Dante leva uma das mãos da minha menina até sua rola, ela apenas obedeceu e ficou fazendo movimento de vai e vem, apertando devagar. Eu sei que muitos podem acabar me achando um otário, mas tudo que eu conseguia sentir era tesão assistindo tudo aquilo, ver minha gostosa daquele jeito, fazendo aquelas coisas, era bom demais.

Depois de um tempo eles pararam de se beijar, Lu sentou na ponta da cama praticamente sem força nas pernas, respirando pesado, quase sem ar, e pedindo mais.

Dante se ergueu, ficando em pé, com um volume gigante em sua calça e disse que esse era o jeito certo. Ele então perguntou se a Luiza já tinha visto ou chupado uma rola. Falei que ela já havia visto, mas nunca me chupou, logo depois, ela respondeu que já tinha visto algumas, mas que nunca tinha chupado ninguém.

– Então vem cá que eu vou te mostrar como faz.

Lu não fala nada, olha para mim de um jeito dizendo – Eu tenho que ir, amor.

Ele se aproximou do rosto dela com o volume, segurou uma das mãozinhas delicadas dela e colocou em cima da rola dele mais uma vez, para ela apertar por cima da calça. Luiza fazia sorrindo, com muita vontade ela apertava sem desgrudar os olhos do volume que a cada instante ficava mais e mais duro. Então ele mandou minha Lu tirar a calça dele e ela obedeceu.

O pau dele saltou para fora. Pela idade do Dante, a rola era um pouco maior e mais grossa que a minha, mas o suficiente para impressionar a Luiza. Em poucos segundos, ela já caiu de boca no pau, chupava com vontade, era lindo de se ver. Parecia até que ela já sabia mamar assim faz tempo.

Enquanto ela mamava com força, o Dante tirou toda a roupa dela. Durante esse tempo em que tudo isso acontecia, tudo que eu fazia era olhar e me masturbar.

Antes mesmo que ela pudesse terminar o boquete, Dante jogou a Luiza na cama e ficou passando lentamente o pau por cima da bucetinha dela. Minha namorada revirava os olhos e gemia, então ele mandou ela me chupar.

Aquela era a nossa primeira vez, e acabou sendo à três.

Me aproximei dela esperando o boquete, mas Luiza pediu que eu segurasse a mão dela e a beijasse, nos beijamos por alguns minutos, até que o Dante resolveu meter fundo na minha menina. Ela então começou a gemer alto, um gemido de prazer bastante ofegante. Logo ela me puxou pra perto e começou a me mamar.

Depois de um bom tempo metendo na minha namorada, o Dante trocou de lugar comigo. Aquela era a minha primeira vez, até que consegui segurar por bastante tempo, estava nervoso e acabei tirando antes para não gozar dentro. Meu primo era mais experiente e gozou na boca, nos peitos e na linda barriguinha da minha menina.

Ele colocou suas roupas, falou que foi muito bom e que isso deveria acontecer de novo.

Depois desse dia, o Dante foi visitar minha casa diversas vezes, em algumas eu participava, em outras eu ficava só olhando.

A partir daí, então, que me descobri cuckold, mas infelizmente eu acabei me mudando e eu e Luiza terminamos o namoro.

Últimos contos eróticos

Compartilhe esse conto erótico:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Mais contos eróticos