Minha esposa chupou dois policiais

“Minha esposa chupou dois policiais”, uma história erótica comigo, minha linda mulher e dois policiais, acho que você vai gostar. Sou casado com a Karina há pouco mais de 4 anos. Ela era muito gostosa e fogosa no começo, morena clara, cabelos escuros, sempre com uma raba grande e peitos médios, mas fartos.

Uma noite, para animar o relacionamento que estava meio frio (ela estava com pouco tesão ultimamente e o sexo era repetido), resolvi convidá-la para sair de carro para beber e dar uns amassos, aproveitar um pouco. Eu pedi para ela ir sem nada por baixo, sem calcinha, ela não ficou muito empolgada haha, mas resolvemos ir!

Comprei a cerveja, enchi o cooler e optamos por um lugar bem deserto, numa ruazinha de terra cerca de 15 km da nossa cidade. Quando cheguei, logo peguei ela de jeito, tirei seu sutiã e depois seu vestido branco. Karina começou a fazer um boquete delicioso, eu já estava bêbado e por muito tempo sem transar, logo eu gozei tudo na boca dela.

Ela ficou muito brava e me chamou de frouxo! De repente, dois policiais vieram até nós, eu tomei um susto! Não há uma película muito escura no vidro, isso significa que eles podiam vê-la completamente nua. Eles bateram na janela devagar e mandaram abrir a porta, eu me apressei para me vestir, mas ela não conseguia encontrar seu sutiã e acabou colocando apenas o vestido.

Quando saímos do carro, eles praticamente comeram ela com os olhos e eu estava sentindo uma mistura de ciúme e raiva.

Bom, eles solicitaram nossa documentação e foi aí que começou o meu problema porque estava expirado. Ao mesmo tempo em que eu estava bêbado, o carro definitivamente seria levado e a multa provavelmente seria enorme. De repente nos disseram para colocar nossas mãos no carro pois queriam nos revistar.

Não encontraram nada comigo, mas fiquei muito surpreso que a Karina foi revistada também. Tentei protestar, mas fui atingido nas pernas com um cacetete. O policial que a revistou era muito forte e bem alto, moreno de cabelos pretos, mandou ela abrir as pernas e virar de costas, ele passou as mãos nela descaradamente, encoxando e apalpando ela… Karina ficou quieta.

Depois disso, o outro policial, que era mais baixo e pálido, disse diretamente que eu seria preso por infringir a lei (beber e dirigir, etc.). Eu quase chorei implorando para ele não fazer isso! Então o mais forte e mais alto disse:

– Se você não quer ir para a cadeia, precisamos ter uma conversa particular com sua mulher.

Fiquei sem reação, mas tudo bem. Como a rua estava deserta, era no interior, no meio do mato, o policial me disse para ficar no carro (que estava logo à frente do carro deles). Sentei e esperei… a distância entre os carros era de uns 15 metros… A viatura era grande, parecia uma caminhonete, mas não lembro a marca do carro . Apenas recordo que a levaram para os fundos da viatura, abriram o porta-malas e não consegui ver mais nada…

Após cerca de três minutos, decidi tomar coragem para sair do carro. Fui até lá com o coração na boca e só escutei cochichos ao me aproximar, me escondendo atrás de uma grande árvore, e sem que eles enxergassem, uma cena inesquecível acontecia diante de mim: Karina de joelhos, os seios para fora do vestido, chupando a rola dos dois policiais, que estavam em pé, encostados na traseira do veículo.

Ela realmente chupou com muita vontade e isso me entristeceu pois ela não gostava de me mamar! Depois disso, eles a puxaram pelos cabelos, tiraram seu vestido e, um deles (o moreno e alto) a segurou por trás, socando sua buceta com força.

O outro ainda estava recebendo um bom boquete, eles mudaram de posição nessa forma várias vezes…. Ela estava gemendo baixinho, mas pela expressão em seu rosto ela estava se divertindo e, nesse ritmo, me pareceu que ela gozou.

Eventualmente os dois anunciaram que iam gozar e quase juntos disseram:

– Toma aqui sua vagabunda, toma todo esse leite!

Fiquei bastante assustado até porque ela tomou tudo, até limpou a pica deles depois. Ela detestava que eu gozasse em sua boca!

Eu corri para o carro, fiquei imóvel como uma estátua. Ela veio alguns segundos depois e, sem dizer uma palavra, liguei o carro e saí rapidamente. E quando olhei nos retrovisores, ambos os policiais estavam acenando em um adeus com largos sorrisos em seus rostos. Até hoje nunca conversei sobre o assunto com ela, e nem planejo citar o que aconteceu aquele dia entre ela e os policiais.

Descobri depois que fui corno mais uma vez, assisti tudo enquanto ela transava com outro em nosso quarto, mas essa é uma outra história que posso contar para vocês em uma outra oportunidade, espero que vocês tenham aproveitado.

Últimos contos eróticos

Compartilhe esse conto erótico:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Mais contos eróticos