Viajei e chifrei meu namorado

E aí gente, meu nome é Thais, sou de Niterói, tenho 22 anos e hoje vou contar uma história que aconteceu comigo há umas três semanas sobre o dia em que eu traí o meu namorado na praia.

Para começar a história, vou me descrever para vocês. Tenho 1,75m, 61kgs, sou bem branquinha, com cabelos loiros e olhos claros. Segundo meus amigos, eu pareço uma patricinha da Zona Sul, mas eu não tenho nada a ver com esse perfil.

Me acho bastante bonita, acho que tenho um corpo magrinho, peitos não muito grandes, mas rosadinhos, do mesmo jeito que a minha buceta, que eu sempre deixo bem lisinha.

Eu namorava um cara chamado Thiago, um moreno lindo e com um corpo bem gostoso, só que ele sempre foi muito controlador e ciumento. Nós já namorávamos há uns 2 anos e meio, mas eu quase nunca saía de casa, e quando saía era sempre com ele. Eu não podia ir sozinha para os lugares, também não tinha amigos homens. Então o sexo também foi ficando bem sem graça e monótono.

A nossa relação já estava bem desgastada, eu já planejava terminar há um bom tempo, mas nunca tive coragem. Nós éramos praticamente noivos e já morávamos juntos, terminar com ele ia ser bem complicado, então eu sempre acabava relevando tudo isso.

Até que, um dia, o Thiago fez um teste de Covid por causa do trabalho e deu positivo! Eu tive que fazer também, mas deu negativo. Por causa disso, já que ele teria que ficar de quarentena por 15 dias em casa, eu achei melhor ir para a casa da minha tia passar esse tempo, ela morava bem perto de nós.

Na casa moravam ela, meu tio e meu primo, seu nome era Vitor e nós sempre fomos muito próximos, nós fomos praticamente criados juntos. Certo dia, o Vitor veio me perguntar sobre o meu relacionamento com o Thiago, e então eu acabei desabafando com ele sobre todas as minhas frustações.

Vitor me falou que esse era o momento perfeito para a gente curtir, já que meu namorado não estaria por perto durante esse tempo, então ele não tinha como me controlar. Então ele me chamou para viajar pra praia com os amigos deles e eu acabei aceitando.

Fomos para Arraial do Cabo num sábado e lá eu conheci diversos amigos do meu primo, mas um me chamou mais atenção. Seu nome era Guilherme. Moreno, com os músculos bem definidos mesmo sendo magrinho. Um pouco mais alto que eu, cabelo curto e com um piercing na sobrancelha que me deixou totalmente perdida.

Já achei ele lindo à primeira vista, mas lembrei do Thiago e acabei ficando mais na minha.

Guilherme começou a conversar bastante comigo na praia, e foi aí que eu fiquei mais a fim dele. Além de gato, ele ainda era muito simpático, tinha um papo bom e eu não consegui disfarçar que estava totalmente na dele. Nós levamos um cooler com algumas bebidas e ficamos aproveitando lá o dia todo. Como eu sou fraca para bebida, já fiquei soltinha depois de umas quatro cervejas.

Em um certo momento, Guilherme me convidou para dar um mergulho no mar e eu fui, estávamos só nós dois. Ele segurou minha mão e me levou até o mar, mesmo com a água bem gelada, e o sol já se pondo. Não ficamos lá por muito tempo. Ao sairmos, logo na areia bem próxima ao mar, Guilherme colocou sua mão em minha cintura, me aproximou dele e disse que me achava muito gata, e que queria ficar comigo.

Eu não consegui resistir e acabei beijando ele ali mesmo. Foi um beijo muito gostoso, eu não beijava alguém assim há muito tempo. O pensamento em Thiago que me prendia foi embora, isso não me importava mais enquanto meus lábios estavam nos de Guilherme.

Quando voltamos para a nossa barraca, já estávamos de mãos dadas, e todos já tinham percebido que a gente estava ficando. Foi aí que eu me lembrei do Thiago. Fui até o meu primo e pedi para ele nunca contar isso tudo para ninguém.

Ele concordou e confessou que levou o Guilherme justamente com a intenção de ele ficar comigo, pois já estava interessado em mim e o Vitor sabia que eu não estava feliz com o meu namoro. No início eu fiquei meio puta, mas acabei relevando.

Logo depois, eu e Guilherme sentamos em uma canga na areia e, assim que o resto do pessoal foi pro mar e só nós ficamos lá, Guilherme me beijou novamente. Eu estava totalmente entregue a ele e me sentia muito bem com tudo. Já estava ficando excitada apenas com o beijo dele.

Já era de noite, aproximadamente umas oito horas, quando Guilherme disse que havia esquecido a carteira dele no carro e me chamou para ir junto com ele buscar a carteira. Eu aceitei e nós dois sozinhos fomos até o carro dele. Nós andamos pela orla de mãos dadas até que, finalmente, chegamos no carro.

Ele me puxou antes de entrar, me colocou contra o carro e começou a me beijar mais uma vez. Dessa vez, eu sentia seus lábios muito mais deliciosos do que da última vez. Guilherme começou a passar a mão por todo o meu corpo, ele apertava a minha bunda e me deixava toda excitada. Em seguida ele abriu o carro e disse que deveríamos entrar.

Começamos a dar uns amassos no banco traseiro. Eu só estava de biquíni. Ele começou a beijar o meu pescoço e passar a sua mão pela minha perna, afastando as minhas coxas uma da outra. Me abri inteirinha pra ele, não consegui resistir.

Guilherme colocou a mão dentro do meu biquíni e acariciou suavemente a minha bucetinha. Então ele tirou a parte de cima e começou a chupar os meus seios, e eu, que já estava totalmente louca por ele, gozei gostoso nos dedos dele enquanto ele me tocava. Ele me mostrou a mão dele, com seus dedos todos molhados e os chupou, depois continuou a me dedar.

Guilherme abriu seus shorts e colocou o seu pau pra fora. Era uma rola deliciosa, tinha uns 16 centímetros, bastante veiuda e grossa. Logo caí de boca nele. Mamava como uma cadela, ele gemia alto e segurava meu cabelo. Fiquei louca quando senti a rola dele se enrijecendo dentro da minha boquinha. Sem enrolar, ele pegou uma camisinha no porta-luvas e a colocou nele.

Eu fui sentando na pica dele aos poucos porque, mesmo transando desde meus quinze anos, eu ainda sou bastante apertadinha, e sempre sinto um pouco de dor quando eu transo. Só que, dessa vez, eu estava tão molhada e excitada que não senti quase nenhuma dor.

Eu quicava no pau dele cheia de tesão, rebolava bastante, fazia de tudo enquanto ele me beijava e chupava os meus peitos, o que me deixava ainda mais excitada. Depois, ele me colocou de quatro, apoiei as minhas mãos no painel do carro e ele começou a meter por trás. Acabei gozando mais duas vezes ali, estava totalmente entregue para o Guilherme.

Ele batia na minha bunda e, como eu sou bastante branquinha, minha raba ficou toda vermelha com os seus tapas, eu estava adorando. Então o Guilherme tirou a camisinha e gozou tudinho na minha bunda, senti a sua porra quente na minha raba em êxtase.

Eu não era fodida daquele jeito há muito tempo, eu nem lembrava como era a sensação de ser tratada com tanto carinho daquele jeito. Ali mesmo eu percebi que meu relacionamento com Thiago não tinha mais condições de dar certo.

Assim que eu voltei pra casa, terminei com Thiago e, agora, estou voltando para a casa da minha mãe, vou morar com ela por um tempo. Com relação ao Guilherme, depois daquele dia nós não nos vimos mais, porém começamos a mandar mensagens um ao outro, e já marcamos um dia para nos encontrarmos novamente.

Espero voltar logo aqui com outras histórias picantes como essa para contar a vocês!

Últimos contos eróticos

Compartilhe esse conto erótico:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Mais contos eróticos